Rua da Ponte nos anos '30

A Rua da Ponte na Década de 1930

A Rua da Ponte, vista de sua interseção com a linha férrea. Provavelmente, fotografia posterior ao ano de 1930, como podemos constatar pelo automóvel em primeiro plano, à esquerda, característico daquela época. O prédio mais à esquerda, que conheci como Cooperativa de Café, ainda não estava com sua construção concluída, como pode ser verificado pelos tijolos aparentes em sua parede lateral.
A rua era mais estreita, beneficiando a calçada mais ampla. Essa relação inverteu-se, anos mais tarde, para favorecer o transito dos automóveis. O beiral da ponte, em elemento vazado, permitia ampla visão do Ribeirão do Carmo, até mesmo para os que passavam pela ponte em seus veículos.
Na esquina com a Rua da Estação, à direita, ainda sem pavimentação, aparece um bueiro para escoamento das águas pluviais, que é o mesmo até hoje, evidenciando a idade do projeto de esgotamento pluvial. Nos dias atuais essa mesma esquina sofre alagamentos frequentes, mesmo em virtude de chuvas moderadas.

Rua da Ponte nos anos '30
Rua da Ponte nos anos ’30

A vista da cidade era aberta e livre, com sensação de amplidão, pois a altura das casas era limitada a, no máximo, dois andares. A mais alta edificação era a Igreja. As residências eram soalheiras e a vista panorâmica era acessível a todas. Os telhados eram feitos com telhas francesas de barro.
A iluminação pública era suportada por postes de ferro, constituindo, eles mesmos, elementos ornamentais.
Na calçada, uma menina de pés descalços observa o interior da venda. O homem de terno branco, em pé na esquina, contempla a cidade. Com o pé apoiado no parachoque traseiro, outro homem parece limpar a capota do veículo.
Rua da Ponte em 2011
Rua da Ponte em 2011
A Rua da Ponte como se apresenta nos dias atuais. A vista da cidade foi cortada pela construção de prédios altos. O comércio ocupou os imóveis em quase toda sua extensão. A obra de arte da ponte foi substituída por uma mureta despojada de estética. A elegânica dos postes de ferro sucumbiram frente aos postes de concreto da Cemig.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.