Amanhecer no Condado

Autoria: Gabriel Heleno Silveira Junqueira

Finda a noite, silenciosa,
A coruja tão manhosa
Não mais pia no grotão,
Já fugiu para a morada,
Percebendo a alvorada
Que desponta no verão.

Logo, porém, lá no prado,
Começa o mugir do gado
Que se dirige ao curral,
Escuto o galo ao poleiro,
Vozes de algum retireiro
Cantando lá no quintal.

Da janela, eu chego ao lado,
A contemplar o “Condado”,
No qual sinto amor profundo.
Como é rica a natureza!
Lugar de maior beleza,
Para mim não há no mundo.

Clareia! E que vista bela,
Ao ver da minha janela
Uma paineira florida!
Naquele outeiro tão lindo
Por onde corri sorrindo
A minha infância querida.

Um pouquinho mais ao lado
Um retiro abandonado
Onde cantam passarinhos,
Com seus gorjeios contentes,
Bicando as muitas sementes
Para darem aos filhotinhos.

O pomar das laranjeiras
E das jabuticabeiras,
Já posso ver claramente,
Altivo, belo e indomado,
Todo ele iluminado
Aos raios do sol nascente.

Ouço o canto do regato
Correndo manso no mato,
Qual sinfonia ele é!
Vejo a tulha, uma garagem,
Que completam a paisagem
Do terreiro de café.

Mais abaixo do terreiro,
Vejo o silo, o chiqueiro,
E o moinho de fubá,
Onde brincam as coleirinhas,
Os canários, as andorinhas,
A rolinha e o sabiá.

Vejo o paiol no curral,
E um viçoso cafezal
Que meu olhar pouco avista,
A casa de um camarada
Bem longe lá da estrada,
Que vai para a “Boa Vista”

O carro de boi esquecido,
Numa varanda escondido,
Dele me lembro, em criança.
Rodava nos canaviais,
Sob o voar dos pardais,
Hoje só resta a lembrança.

Descia do carro contente,
Uma cana era um presente,
Que, com cuidado, eu limpava,
Depois corria à cocheira,
Onde havia a garapeira,
E lá eu me saciava.

Vejo ainda as goiabeiras,
A pereira, as pitangueiras,
E um coqueiro solitário,
Tudo cuidado com amor,
Sob todo o esplendor,
Da batuta do “Tio Mário”.

Se eu pudesse, nesta hora,
Pararia o tempo, agora,
E queria aqui ficar,
Vendo sempre esta realeza,
Obra da mãe natureza,
Até a vida acabar.

Gabriel Heleno Silveira Junqueira.
Na Fazenda do Condado,
em alguma época do passado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.