Carmo de Minas – A Região de Café Mais Premiada do Brasil

Reproduzo a excelente matéria publicada na Revista Espresso, Edição 32, de Junho/Julho/Agosto de 2011, com pequenas atualizações de dados estatísticos para a presente data:

O CAFÉ MAIS PREMIADO DO BRASIL

Carmo de Minas, pequeno município onde, todos os anos, produtores são premiados e reconhecidos pela produção de grãos nobres. Parte desse sucesso é presente da Natureza, que forneceu solo e clima perfeitos para o cultivo, mas dedicação e paixão pelo café atravessam gerações de produtores – requisitos essenciais para essa consagração.

Na década de 50, os fazendeiros que plantavam café em Carmo de Minas, município de Minas Gerais, situado na região da Serra da Mantiqueira, diziam exaustivamente, para seus filhos e netos, que o café arábica produzido ali exigia cuidados especiais, que eram grãos diferenciados e com doçura fora do comum. Décadas se passaram e as novas gerações deram continuidade ao cultivo dos grãos, cuidaram do solo, permaneceram morando na cidade — com pouco mais de 16 mil habitantes — e estudaram técnicas de cultivo, para provar que realmente o café do Sul de Minas é muito especial.
Placa-do-caféE, a partir do ano 2000, Carmo de Minas destacou-se como a região mais premiada do Brasil nos concursos de qualidade do café. No Cup of Excellence, principal concurso que premia cafés especiais, o município é destaque: de 2003 a 2008 os cafés da região estão sempre presentes nos três primeiros lugares e tomaram grande parte na lista dos trinta melhores. Em 2009, o município também esteve forte no ranking, feito que se repetiu em 2010. No ano de 2011, entre os 25 melhores cafés do Brasil 18 eram da microrregião da Mantiqueira, sendo 11 de Carmo de Minas. Esse predomínio repetiu-se nos anos de 2012 e 2013, sendo que neste último ano Carmo de Minas conquistou o primeiro lugar nas duas modalidades do concurso.

Doce, encorpado e com acidezSerra da Mantiqueira

Em Carmo de Minas e nos 21 municípios produtores que fazem parte da microrregião da Serra da Mantiqueira, vários fatores determinam a qualidade do café: terra, temperatura, estações do ano bem definidas e o chamado estresse hídrico — que é a pausa nas chuvas de maio a agosto, época da colheita. O engenheiro agrônomo da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), Luciano Neves, explica que naquelas plantações de café o processo de maturação dos grãos é bem lento. “Isso acontece por conta da definição do clima. A média anual da temperatura é de 19°C. Esse ciclo de desenvolvimento dos frutos, quanto mais lento for, mais qualidade o café terá.”
O resultado da maturação homogênea é um café mais doce, encorpado e com uma acidez brilhante, típico dos cafés gourmet da Serra da Mantiqueira. A acidez neutraliza o amargor e essas características são acentuadas, também, por conta do processo de beneficiamento cereja descascado (CD) e natural, predominantes na região.
O solo é uma história à parte. Por ter cor escura, os fazendeiros dizem que a terra tem origem vulcânica e presença de muito cascalho. A sábia opinião é reforçada por Margarete Volpato, pesquisadora de geoprocessamento e cafeicultura da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig). “Estamos pesquisando esta terra e também o clima, a relação da vegetação nativa com o café, o relevo muito acidentado, altitudes e vários outros fatores que ajudam o café desta região a ser único.”
Sebastião Márcio Pereira, técnico agrícola da Cooperativa Regional dos Cafeicultores do Vale do Rio Verde (Cocarive), lembra mais um elemento presente no solo, que contribui, segundo ele, com a qualidade: “Temos grande quantidade de potássio na terra. Esse elemento químico, naturalmente presente no solo, ajuda no crescimento do fruto”.

“O trabalho fica mais humano”

Claudio Carneiro PintoCláudio Carneiro é um simpático fazendeiro, defensor da agricultura orgânica, dono da fazenda Grota São Pedro, primeiro lugar no Cup of Excellence de 2010. Assim como qualquer outro produtor da região, acredita que o local é privilegiado. “O microclima daqui é perfeito para cultivar cafés especiais. A topografia não ajuda a usar máquinas, porque é uma área muito montanhosa, mas isso fixa o homem no campo e o trabalho fica mais humano.”
Sobre o desafio de trabalhar com cultivo orgânico e ter seu café premiado, ele se emociona: “Cultivo orgânico é filosofia, tem um carinho especial, não jogamos química no solo ou na planta. Não é uma questão de lucro, e sim de sustentabilidade. O lucro é consequência do trabalho bem feito. Um produto orgânico sem qualidade não tem valor algum. Ter o café orgânico no primeiro prêmio do concurso foi uma realização para mim”.

O Café de Carmo de Minas

Algumas características ressaltam, no café de Carmo de Minas, nuances no aroma e sabor que chamam a atenção de muita gente, inclusive de juízes das principais competições de qualidade do café. Fique por dentro de alguns detalhes que colaboram para o café dessa região ser tão especial:

Doçura e acidez

Espécie: Arábica.
Tipo de beneficiamento: Cereja descascado (CD) e natural.
Variedade mais comum: Mundo Novo e Acaiá.
Variedade mais cobiçada: Bourbon amarelo.
Colheita: Manual e apenas dos grãos maduros.
Maturação: Quanto mais homogêneo é o amadurecimento dos grãos no pé, mais doçura terá o café.
Seleção: Além dos cuidados dos produtores com seus grãos, o café da Região da Serra da Mantiqueira segue para o armazém da Cocarive, onde recebe outro beneficiamento.
Característica do solo: O solo de Carmo de Minas é de cor bem escura, rico em minerais e com presença de cascalho.
Clima: A região montanhosa tem média anual de temperatura em 19°C. As estações são muito bem definidas na microrregião, com estação chuvosa e seca bem definidas.
Vegetação: As fazendas de café de Carmo de Minas preservam a vegetação natural típica da Mata Atlântica, o que também colabora, segundo pesquisadores, com a qualidade dos frutos.
Chuvas: O estresse hídrico – que é a pausa nas chuvas de maio a agosto – acontece durante a época da colheita, o que garante maior qualidade para os grãos, que não fermentam com a umidade das chuvas.

O ouro de Carmo de Minas

A variedade Bourbon amarelo é a mais famosa de Carmo de Minas. O Bourbon é precoce, mais frágil e exige maior dedicação de seus produtores. Mas o clima da microrregião colabora. A variedade se desenvolve bem em altitudes mais elevadas: “Quanto maior a altitude, maior a resistência às pragas”, diz Sebastião Márcio Pereira, técnico agrícola da Cocarive. As variedades como o Mundo Novo e o Acaiá são os mais comuns na região, no entanto, o “ouro” da Serra da Mantiqueira é mesmo o Bourbon amarelo.

 “Me perguntavam se o café era brasileiro”

Entrar na casa da Fazenda Santa Inês (Grupo Sertão), do produtor Francisco Isidro Dias Pereira, é como conhecer um museu do café. Logo na entrada, um livro guarda assinaturas de gente do mundo todo que já passou por ali. O aroma é do café coado na hora por sua esposa, a simpática Maria Lúcia. A casa e a plantação fazem parte da Rota do Café Especial, projeto feito para turistas conhecerem todo o processo, do pé de café até a xícara.
Francisco Isidro Dias PereiraA primeira lembrança de Francisco — maior produtor de café especial da região, com cerca de 650 hectares — é dos grãos espalhados pelo terreiro batido quando ainda era criança. Naquela época, ‘Seu’ Chico, como é carinhosamente conhecido, não fazia idéia dos prêmios que ganharia e muito menos de que seu café se tornaria um dos mais caros do mundo. A natureza, segundo ele, não mudou quase nada na região: “Não se acha café igual ao daqui em nenhum lugar do mundo, não com essa acidez e doçura”, fala com entusiasmo.
Foram 15 sacas, de 60 kg cada, vendidas a US$ 6.580 cada uma, vencedoras do Cup of Excellence de 2005. No Brasil, apenas a cafeteria paulistana Santo Grão adquiriu o produto, limitadíssimo na época. O restante, 14 sacas, foram para Canadá, Estados Unidos e Japão. Com o dinheiro, o produtor e a família  visitaram torrefadores dos três países que adquiriram o café.
“Tanto no Japão quanto nos Estados Unidos me perguntaram se o café premiado era realmente do Brasil”, diverte-se o produtor. “Meu sonho é continuar produzindo café com qualidade e sobreviver a esse desafio”, diz ele, com o sorriso estampado no rosto.

“O maior prazer é saborear o meu café”

O ano inesquecível na vida de José Wagner Ribeiro, dono da Fazenda Serra das Três Barras, foi 2010, quando seu café foi o terceiro colocado no Cup of Excellence e o do seu filho, Ralph de Castro Junqueira, campeão do 7° Concurso de Qualidade Cafés de Minas — Emater/MG. O produtor não esconde a felicidade ao falar dos filhos envolvidos com a produção. “A tradição tem uma importância muito grande de integração entre o produtor e o produto.”
Sobre o reconhecimento, José Wagner compara produzir café com o trabalho de pintar um quadro. “Dá prazer em ter uma obra de arte — uma criação sua — reconhecida. O maior prazer da minha vida é saborear o meu café, feito nessa região. É como degustar um vinho, você presta atenção nos mínimos detalhes.”

Seguindo os passos do vinho

logo-regiao-serra-mantiqueiraUma variedade de uva cultivada na França, comparada à mesma plantada no Chile, apresentará personalidades gustativas diferentes, por conta do solo, clima e outros detalhes. Este argumento é o início do estudo feito pela Associação dos Produtores de Café da Mantiqueira (Aprocam) para estabelecer a demarcação da microrregião da Serra da Mantiqueira de Minas.
Natureza à parte, sem os cuidados dos produtores não existe café especial premiado. A doutoranda de pós-graduação em Fisiologia Vegetal na Universidade Federal de Lavras (UFLA) Juliana Neves Barbosa, resume: “Carmo de Minas possui características ambientais que favorecem a produção desses ricos cafés, além dos cuidados no cultivo, na colheita e na pós-colheita, segredos contidos nos cafés e em toda produção da microrregião da Serra da Mantiqueira”.
Orientada pelo professor doutor Flávio Borém, da UFLA, Juliana faz parte de um grupo que se dedica – ao lado da Aprocam – à conquista da Denominação de Orígem (DO) do café junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), uma espécie de patente, selo de qualidade do produto, mas que também leva em consideração os cuidados dos homens no cultivo do café. Em maio de 2011, a região conquistou a Indicação de Procedência (IP), que guarda a relação com o nome geográfico da região, ou seja, liga a Serra da Mantiqueira a sinônimo de bons cafés, o mesmo caso do Café do Cerrado, que conquistou a ‘IP’ em 2005. Tudo indica que o café brasileiro da Serra da Mantiqueira também terá sua ‘DO’ registrada no INPI, o que garante para o consumidor credibilidade e segurança sobre a sua procedência.

A nova geração

Os jovens descobriram que o gosto pelo produto era mais forte e seguiram os passos de seus pais e avós. Hoje, formam um nicho empresarial mineiro pequeno em número de funcionários, mas que exporta café especial dos 22 municípios da microrregião para o mundo inteiro, principalmente para o Japão e os Estados Unidos, maiores compradores intermediados pela Carmo Coffees, criada há sete anos por Jacques Carneiro e Luis Paulo Dias Pereira Filho.
Outro negócio de sucesso é a marca que faz o café da microrregião chegar às cafeterias e supermercados que vendem café gourmet em diversos Estados brasileiros. “Criamos a marca ‘Unique‘ quando percebemos que o café estava sendo todo exportado”, diz Helcio Junior, diretor comercial da marca.
No armazém de 3200 m2 da cooperativa Cocarive, Paulo César Junqueira Silva Júnior, o PC, pilota todas essas exportações e é degustador credenciado pela Specialty Coffee Association of America (SCAA). O jovem largou a faculdade de Direito quando viu que sua paixão era o café. Com penas 18 anos, ele já trabalhava com o produto. “Somos um braço do café especial para o mundo.”

4 comentários em “Carmo de Minas – A Região de Café Mais Premiada do Brasil”

    1. Folha Nova

      Gilvan,
      Vários produtores de Carmo de Minas realizam venda de café especial já torrado e moído. Aguarde que um deles, em breve, responderá ao seu comentário.

    2. Carlos Eduardo Dias de Castro (Cati)

      Boa noite , Gilvan.
      Nós vendemos café especial torrado e moído. Café Carmo de Minas .
      Estamos a disposição:
      email: cafecarmodeminas@gmail.com.br
      Fone:(35)3334-1338
      (35)3334-1611
      (35)999835250
      Aguardamos contato,
      Carlos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.