Carro de boi

Símbolo maior dos campos.
Rodas cantam árias de tenores.
Transporte seguro nas fazendas.
Tema nostálgico dos pintores.

Puxando o carro morro acima,
São três juntas de bois treinados.
A primeira junta são “bois de coice”.
Aguentam o peso do carro tarado.

A segunda junta são os “bois de corpo”.
Ao comando da vara-ferrão,
Puxam o carro com empenho,
Abrindo fundos sulcos no chão.
A terceira junta são os “bois de guia”.
Acertam o caminho e a direção,
Ao comando do mestre-carreiro
O carro vai cantando pelo estradão.

Plinio Guarany,
Poeta Sertanejo.
Agosto de 2014.

Carro de boi

Esse quadro, óleo sobre madeira, eu pintei para matar a saudade dos tempos de criança que passei na roça. É um carro de boi mineiro.
A fazenda fica em Lambari, é onde eu passava minhas férias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.