Chanceler Lauro Muller visita a Chácara da Conceição

Autoria: Américo Pena.
Publicado na Folha Nova, nº 109,
em 5 de Março de 1916.

No dia 25 de Fevereiro deste ano de 1916, em comboio especial da Rede Sul Mineira, aportou a esta vila o Chanceler Brasileiro, Dr. Lauro Muller, em visita à famosa Chácara da Conceição.
Foi recebido na Estação Ferroviária da Rede Sul Mineira pelo Cel. Jerônimo Guedes Fernandes e por crescido número de cavalheiros, sendo levado festivamente até a linda propriedade agrícola. Ao passar Sua Excelência pelo Colégio São Luiz, foi saudado e calorosamente aclamado pelos alunos, perfilados em frete ao edifício.
Ao chegar à bela vivenda da Chácara da Conceição, as alunas da Escla Normal, trajadas todas de branco, cobriram de pétalas de rosas e de perfumosas flores o nobre visitante, erguendo-lhe muitos vivas.
O prezado diplomata mostrava-se comovido, enquanto a todos cumprimentava e agradecia com aquela gentileza e simplicidade que o tornaram tão popular e querido.

Chanceler Lauro Muller
Chanceler Lauro Muller
Por onde passava o Dr. Lauro Muller, a todos os seus companheiros de comitiva transmitia as suas agradáveis impressões, o seu entusiasmo e a sua admiração. O seu entusiamo fôra profundo e o mais agradável possível, declarava sempre.
No vasto salão do refeitório da Escola Normal, quando de volta todos dessa agradável excursão, fez servir, o proprietário da Chácara da Conceição, uma finíssima merenda e a todos ofereceu o soberbo espetáculo de uma exposição de uvas, de frutas e de vinhos, produtos admiráveis daquela quinta.
A admiração, a alegria e o entusiasmo irradiavam-se por todos os convivas, francamente deslumbrados ante o rico quadro que contemplavam. E desse natural e espontâneo arrebatamento, participava em mais elevada escala o simpático ministro.
No meio de todo esse embate de emoções e de sorrisos, ergueu-se a figura do incansável educador Cel. Guedes Fernandes e, em oração vibrante, fez a apologia do trabalho e da personalidade do notável Chanceler, a quem saudou com veemência, agradecendo-lhe a honra da sua visita ao seu estabelecimento agrícola.
Respondeu-lhe o Dr. Lauro Muller, dizendo que lhe causava assombro o que os seus olhos observavam. Falava com a convicção de quem se extasiava diante das maravilhas de uma obra incomparável e positivamente heróica. Jamais supos encontrar no Brasil um exemplo tão frisante do quanto valem a tenacidade, a perseverança, a coragem e a inteligência de um homem.
A Chácara da Conceição era o exemplo, o gênio era Jerônimo Guedes Fernandes.
Consolava-se, o Chanceler, em ver que está reservado um novo futuro econômico de grandes riquezas e de fartas recompensas para nossa grande Pátria, se todos se inspirarem nos princípios de trabalho, no modelo, na obra e nas maravilhas, enfim, do soberbo instituto de pomicultura que acabava de visitar. Proclamou Jerônimo Guedes Fernandes como um benemérito da nação.
Demorou-se, ainda, Sua Excelência, em alegre palestra com todos os presentes, por entre as mesmas demonstrações de afeto e as mesmas notas festivas, e partiu em demanda da nossa Estação Ferroviária, acompanhado da família Fernandes, das alunas da Escola Normal, dos alunos do Colégio São Luiz, de autoridades locais, do redator desta folha e de cavalheiros e senhoras de nossa sociedade, mostrando sempre o ilustre diplomata o seu deslumbramento por essa quinta magnífica, que há de ser o livro aberto, a página fecunda de benéficos ensinamentos para os que desejarem trabalhar em prol de seus lares, de seus concidadãos e de sua Pátria.
Partiu o trem especial com o distinto ministro e seleta comitiva, às sete horas da noite de um Domingo sereno e indelével para memória da história íntima desta terra.
Palmas à Chácara da Conceição.

Américo Pena
Silvestre Ferraz, Março de 1916

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.