Isidro Antonio Pereira

Autoria: João do Rio Verde.
Publicado na Folha Nova, nº 1.385,
em 11 de Julho de 1943.

Saudade… Saudade… Eis a companheira inseparável daqueles corações que prestam um culto especial aos tempos idos. Quantas vezes um solitário casebre abandonado em ruínas, um ramalhete de flores secas ou velhas cartas com a caligrafia desbotada pelo desdobrar dos anos acordam em nossas almas as mais pungentes recordações da dias venturosos que já se foram.
Com o sentido falecimento da piedosa e estima senhora Emerenciana Andrade Pereira, ocorrido a 13 dos mes de Junho deste ano de 1943, os carmelitanos sentiram viva, em suas almas, a lembrança de Isidro Pereira, o saudoso esposo da querida morta, falecido no dia 10 de Abril do ano de 1921.
Agora que a nossa terra natal se cobre de luto pelo desaparecimento de Dª Emerenciana, releva que recordemos a vida feliz e próspera do digno varão de saudosa memória.
Isidro Antonio Pereira nasceu a 5 de Agosto de 1867, na poética e lendária cidade de Baependi – torrão abençoado de onde tiveram origem numerosas e ilustres famílias mineiras – vindo para o arraial do Carmo do Rio Verde há mais de meio século, especialmente para contrair núpcias.
Homem trabalhador e de rara energia, tratou logo de formar uma propriedade agrícola, anexando à pequena parte de terra herdada por sua esposa várias outras propriedades, que adquiriu por compra de cunhados e dos Srs. Domingos Teodoro e Chiquinho da Cachoeira.
E foi assim que se criou em nosso município a bela e fértil Fazenda do Sertão, onde o casal passou uma existência tranquila e onde sempre a felicidade reinou outrora.
Em 1919, dois anos antes de sua morte, ofereceu à Matriz o sino da torre que fica ao lado da sua residência, tendo ainda realizado muitas outras ofertas à Igreja e, bem assim, valiosas dádivas à pobreza, tudo sem alardes, mas com a fé de bom e fervoroso cristão.
O distinto e saudoso casal, cuja memória hoje evocamos, teve 17 filhos: José de Andrade (falecido), Cornélia (falecida), Helena (falecida), Maria, Julia, Cornélia, Alice, Maria, Sebastiana, Davina, Olívia, Ana, Pedro, Isidro (falecido), José Isidro, e duas gêmeas falecidas pouco depois do nascimento.
Todos os descendentes do bondoso casal procuram sempre honrar os abençoados nomes de Isidro Pereira e Emerenciana, imitando seus feitos, vazados nos belos princípios de amor a Deus e ao próximo.
Fechou-se agora, com o desenlace de Dª Emerenciana Andrade Pereira, o último capítulo da história de vida desse estimado casal de tão terna memória.

João do Rio Verde
Julho de 1943

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.