O Amor

O amor é como o éter:
evapora quando alguém
esquece o coração aberto.
O amor não é uma pedra
que dura eternamente.
O amor não é prisão
que encarcera a emoção.
O amor é um sentimento:
fluído, volátil e ciumento.
O amor é como o perfume:
agradável e insinuante,
que exige uma gotinha,
uma gotinha constante.
Esquecendo a gotinha,
a fragrância desaparece.
O amor, também, é assim:
Se não renovado, chega ao fim.

Plinio Guarany,
poeta menor.
Agosto de 2016.
Academia Cruzeirense de Letras e Artes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.