Realidade

Realidade

Silêncio, coração… Não chores tanto…
Esconde o soluçar dessa ansiedade,
Sepulta os ais pungentes da saudade
Nas estrelas doridas do teu pranto.

Não saiba o mundo que há, em um recanto
Das tuas fibras – tétrica verdade -,
Uma chaga profunda que te invade,
Misteriosa, intangível por enquanto…

Oculta-a, sim; mas vê de que maneira
O fazes, coração. Se for ouvida,
De lamento em lamento, a dor primeira,

Tens que sofrer o escárnio que aparece
No sorriso feliz de quem, na vida,
Nunca teve uma chaga que enlouquece.

Fátima Cléo
Silvestre Ferraz, Março de 1931

Nenhum comentário

Adicione seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.