Ruth

Autoria: Fátima Cléo.
Publicado na Folha Nova, nº 932,
em 14 de Janeiro de 1934.

“À memória de minha sobrinha.”

Eras o meu encanto, o sol da minha vida.
Um dia te perdi, partiste para o Além;
Minha alma foi contigo, e o coração alguém
O viu morrer, beijando a lápide descida.

Sorrindo, voaste ao Céu, em nuvem renascida
Nos beijos de Jesus. Chorei, sem que ninguém
Minha dor consolasse, e mais cresce o desdém
Que voto ao que ficou, desde a tua partida.

Entretanto, bem sei que não morreste. Tua alma
Vive no abrir da rosa, em madrugada calma,
A eternizar-lhe o alvor da pétala macia.

Vives no palpitar da estrela alvinitente
E ornas o firmamento em noite resplendente,
Porque o Céu, sem ti, um Céu jamais seria.

Fátima Cléo
Janeiro de 1934

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.