Ser Noiva

Autoria: Fátima Cléo
Publicado na Folha Nova, nº 943,
em 15 de Abril de 1934

À Leticia Squillace

A ti, querida, envio os meus versos, fragmentos de alma que não pode ser ditosa… Tu os lerás, Visão Celeste, recostada a tua fronte aos dois corações amantíssimos que te querem tanto…

Não será rude o teu caminho, serás feliz. Nunca, nunca o poema de lágrimas da cruel desventura te chegará às brancas mãos angelicais…

Fátima Cléo

Ser filha é ser ventura e vida de outra vida,
É ser a perfumada e eterna e doce aurora
De um grande coração que, se choramos, chora…
É ser de alguém a glória imensa, indefinida.

Ser noiva é ter, transposta ao céu, a alma partida
Entre o pai que se quer e o noivo que se adora,
É sorrir sem pensar que o pranto, às vezes, chora
Um lar que se desfaz na dura despedida…

És filha e és noiva! Tens, aqui na terra, tudo,
Tudo o que é santo e tudo o que te faz contente…
Não terás aflições, dores, que te tornem mudo

O coração. Serás o claro sol sem poente…
Jamais o teu caminho alegre será rude,
Dois astros, dois, te vão seguindo santamente!

Fátima Cléo
Silvestre Ferraz, Abril de 1934

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.