Um Caixote, um Carrinho

Receita:
Doces lembranças que o tempo levou,
Meus brinquedos de coisa encostada.
Material:
Um caixote de pinho, abandonado.
Duas rodas que do tico-tico ficou.
Duas ripas, sobras de um estrado.
Meia lata de tinta que o pintor deixou…
Montagem:
Pegamos o caixote, já lixado,
Colocamos as rodas com parafusos,
Um ripa pregada em cada lado,
Eis o carrinho pronto para o uso.
Utilidades:
Passeando pelas ruas da cidade,
Catando ferro, garrafa e osso.
Vendidos no depósito de sucata,
Rendem um troco pro picolé de coco.

Plinio Guarany
Poeta Menor.
3 de Setembro de 2014.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.