Uma Folha, Uma Vida

Me pediram para escrever, então eu escrevi. Discorri sobre coisas, pessoas, lugares, situações…
Do meu lápis saíram palavras, formando frases e mais frases. Até que, no final, a folha estava completa. Mas, a meu ver, ela estava em branco como se tivesse acabado de sair da gráfica. Para mim ela estava vazia.Balanço
Essa folha em “branco”, com tantas letras amontoadas em cima, só ficou assim porque do meu lápis, junto com as palavras, não saíram sentimentos. Eu apenas escrevi, e pela primeira vez aquilo não me foi suficiente. Porque eu não quis que fosse suficiente.
Minha folha se parecia muito com a vida de várias pessoas, que se movimentam, conhecem outras pessoas, experimentam coisas novas, porém se sentem infelizes, vazias. Elas existem, mas não vivem.
Se quisermos que todos os momentos da nossa vida sejam intensos, devemos colocar emoções neles! Pois, mesmo ao passar por situações difíceis, o aprendizado fará com que tudo tenha valido a pena.
Não deixe que sua vida seja como meu papel em branco, pois eu virei a página do caderno e reescrevi os meus contos. Dessa vez, minhas palavras pareceram um lindo jardim, no auge da primavera.
Infelizmente não teremos outra folha para reescrevermos nossa própria história. Por isso, aproveitemos ao máximo a folha da nossa vida e façamos nela o escrito mais bonito que pudermos, repleto de sentimentos. E amanhã, ao relermos a nossa história, poderemos sorrir para quem somos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.